Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Comissão aprova proposta que inclui na lei da improbidade administrativa gestores que atrasarem salários
quarta-feira, 06 de dezembro, 2017

A proposta que torna crime de improbidade administrativa o não pagamento ou o parcelamento dos salários dos servidores públicos ainda vai ser analisada pela Comissão de Constituição e Justiça

 

A Comissão de Trabalho da Câmara aprovou proposta (PL 3883/15) que inclui na lei da improbidade administrativa os gestores que atrasarem os salários dos servidores públicos.

 

O texto inclui também os subsídios, as gratificações ou os adicionais de qualquer natureza. O texto também inclui como improbidade administrativa o pagamento parcelado dos salários.

 

A relatora na comissão, deputada Erika Kokay, do PT do Distrito Federal, lembrou que o poder público tem que honrar seus compromissos, principalmente em relação aos servidores públicos.

 

"O Estado não pode simplesmente deixar de pagar o servidor público, deixar de pagar aquele que prestou um serviço para o próprio estado, ainda que contratado por terceiros. O Estado tem que honrar seus compromissos. Nós não podemos mais permitir que o Estado atrase pagamentos, escalone pagamentos ou faça o que quiser como se não tivesse a obrigação de estar cumprindo com seus deveres."

 

O diretor da Fenafisco, Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, Celso Malhani, explicou que atualmente cinco estados estão atrasando o pagamento dos salários de seus servidores: Rio de Janeiro, Sergipe, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte.

 

Para Celso Malhani, ao escolher não pagar o servidor, o gestor acaba cometendo improbidade administrativa.

 

"Se nós tivéssemos uma lei que reconhecesse a improbidade administrativa de quem se candidata para administrar um estado, para cumprir a lei e as obrigações desse estado, em especial aquela com o serviço público que atende a sociedade, justamente aqueles mais necessitados dependem do serviço público. Então a pessoa que se propõe a fazer isso, materialmente incorre em improbidade quando escolhe o que vai pagar e dentro da sua escolha, escolhe não estar cumprindo a obrigação alimentar junto ao servidor público."

 

A proposta que torna crime de improbidade administrativa o não pagamento ou o parcelamento dos salários dos servidores públicos ainda vai ser analisada pela Comissão de Constituição e Justiça. Aprovada na CCJ, o texto segue para apreciação do Plenário da Câmara.

 

Agência Câmara Notícias, 6-12-2017

Outras Notícias
 

Congresso aprova orçamento de 2018 com deficit de R$ 157 bilhões e salário mínimo de R$ 965

quinta-feira, 14 de dezembro, 2017

Governo libera hoje abono salarial de 2016 para nascidos em dezembro

quinta-feira, 14 de dezembro, 2017

Fenafisco intensifica ações contra a reforma da Previdência

quinta-feira, 14 de dezembro, 2017

Saiba como é o acordo que vai compensar perdas da poupança com planos econômicos

quarta-feira, 13 de dezembro, 2017

Força-tarefa: Maia pretende deixar presidência para votar pela reforma da Previdência

quarta-feira, 13 de dezembro, 2017

Servidores Públicos protestam  em defesa da previdência pública

segunda-feira, 11 de dezembro, 2017

Unir e lutar para barrar a reforma da Previdência

sábado, 09 de dezembro, 2017

#SE VOTAR, NÃO VOLTA!

sábado, 09 de dezembro, 2017

Reforma da Previdência: Fenafisco convoca para a luta

sábado, 09 de dezembro, 2017

Página 1 de 359 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]