Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Demissão em massa não exige negociação com sindicato, decide presidente do TST
terça-feira, 09 de janeiro, 2018

Com mudança na lei, TST superou entendimento que obrigava a participação de sindicatos, afirmou Ives Gandra Filho.

As chamadas demissões em massa não exigem qualquer negociação prévia com o sindicato da categoria, nem acordos coletivos, de acordo com a reforma trabalhista (Lei 13.467/2017). Por isso, o ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho, presidente do Tribunal Superior do Trabalho, suspendeu decisão de segundo grau e permitiu a demissão de 150 professores da universidade UniRitter.

 

Segundo a decisão do ministro, ao impedir a dispensa coletiva sem justa causa, a desembargadora Beatriz Renck, do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), agiu contra a lei.

 

Beatriz havia mantido liminar de primeira instância que suspendeu a demissão dos professores no dia 19 de dezembro, afastando o artigo 477-A da CLT, criado com a reforma. Para ela, não importa se a regra mudou, uma vez que a doutrina e a jurisprudência da Justiça do Trabalho consideram necessária a intervenção sindical nesse tipo de situação. “Os princípios constitucionais que sempre autorizaram a adoção desse entendimento permanecem vigentes, a despeito da regra", escreveu.

 

A universidade, representada pelo advogado Jorge Gonzaga Matsumoto, do Bichara Advogados, recorreu ao TST.

 

De acordo com o ministro Ives Gandra, o novo  artigo da CLT, bem como decisão recente do Pleno do TST, superaram a orientação jurisprudencial da corte que exigia a negociação coletiva prévia à demissão em massa.

 

“Impedir instituição de ensino de realizar demissões nas janelas de julho e dezembro, louvando-se exclusivamente no fato do número de demissões realizadas, ao arrepio da lei e do princípio da legalidade, recomenda a intervenção da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho, ocasionalmente exercida pela Presidência do TST, para restabelecer o império da lei e impedir o dano irreparável que sofrerá a entidade de ensino, cerceada no gerenciamento de seus recursos humanos, financeiros e orçamentários, comprometendo planejamento de aulas, programas pedagógicos e sua situação econômica”, afirmou o presidente do TST, ao reformar a decisão, no dia 5 de janeiro.

 

Antes da decisão de Ives Gandra, as rescisões na UniRitter estavam suspensas até 8 de fevereiro, data da audiência de conciliação entre as partes, ou até quando fosse firmado acordo entre o sindicato e a universidade perante o Ministério Público do Trabalho, sob pena de multa diária de R$ 20 mil. Agora, as dispensas podem ir adiante, sem a necessidade de acordo.

 

Clique aqui para ler a decisão.

 

Revista CGN

 

Outras Notícias
 

“Reforma Tributária Solidária” recebe reconhecimento em prêmio de comunicação

segunda-feira, 12 de novembro, 2018

Auditor Fiscal - Agente de Transformação Social

sábado, 10 de novembro, 2018

Sindifisco-PB participa do III Fórum Paraibano de Direito Tributário

sábado, 10 de novembro, 2018

Recomeça a luta em defesa da Previdência

sábado, 10 de novembro, 2018

Concurso do Fisco

sábado, 10 de novembro, 2018

Eleições da Afrafep

sábado, 10 de novembro, 2018

Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco

quinta-feira, 08 de novembro, 2018

Decreto de Temer fecha portas de concursos públicos a pessoas com deficiência

quarta-feira, 07 de novembro, 2018

TCE-PB sedia a partir desta segunda XVIII Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas

segunda-feira, 05 de novembro, 2018

Página 1 de 397 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]