Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Auditores fiscais e economistas defendem mudanças no sistema tributário
quinta-feira, 02 de agosto, 2018

O grupo de trabalho da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite) sobre a reforma tributária, coordenado pela auditora fiscal do Mato Grosso do Sul, Gigliola Decarli, esteve reunido nesta segunda e terça-feira, dias 30 e 31 de julho, na sede da Associação dos Agentes Fiscais de Renda do Estado de São Paulo (Afresp), na capital paulista.

 

Durante os dois dias de trabalho, o grupo debateu as principais propostas sobre a reforma em destaque no cenário nacional, em especial, a proposta pelo deputado Federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), a do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e a do Sindifisco Nacional. O grupo debateu sobre os princípios informadores da versão atualizada da proposta da Febrafite, que será encaminhada aos candidatos à Presidência da República e apresentada na comissão especial da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 293/04, neste mês de agosto.

 

Fazem parte do grupo os auditores fiscais das Receitas Estaduais: Juracy Soares (presidente da Febrafite), Rodrigo Keidel Spada, Maria Aparecida Neto Lacerda e Meloni, “Papá”, Marcelo Mello e Jorge Couto (vice-presidentes da Federação), José Caetano Mello (diretor Jurídico); o diretor de Assuntos Estratégicos da Afresp, José Roberto Soares Lobato; a diretora da Associação dos Funcionários Fiscais do Estado de Minas Gerais (Affemg), Sara Costa Felix Teixeira, entre outros. O auditor fiscal gaúcho (quem trouxe ao Brasil o modelo de tributação do ICMS Personalizado), Giovanni Padilha, participou como convidado.

 

Giovanni Padilha, que representa o estado do Rio Grande do Sul no GT-47 (Reforma Tributária) no CONFAZ, apresentou os princípios informadores e as principais características da proposta de aperfeiçoamento do ICMS que está em discussão entre os estados, com vistas a ser apresentada aos secretários de Fazenda na próxima reunião do Conselho Nacional de Secretários de Fazenda (Comsefaz).

 

Resumidamente, a proposta apresentada por Padilha propõe a substituição dos tributos hoje existentes sobre o consumo e produção por três tributos: dois sobre valor adicionado (uma contribuição, CSS, que substituiria PIS e Cofins), e um imposto, ICMS (ou IBS), (que substituiria ICMS e ISSQN), além de um imposto seletivo, IS, de competência da União. A receita do ICMS seria partilhada entre estados e municípios, na proporção de 70% – 30%, respectivamente. O imposto seletivo federal, IS, substituiria o IPI e a CIDE-combustível, incidindo sobre o consumo de produtos com externalidades negativas, sendo seu produto repartido entre a União e os Estados, na proporção de 75% – 25%, respectivamente.

 

Proposta da Febrafite

 

Após o período de debate, o grupo reafirmou a proposta de Reforma Tributária da Febrafite e os seus princípios norteadores: neutralidade, competitividade dos produtos nacionais e fomento à indústria nacional, simplificação, não aumento da evasão fiscal, suficiência da arrecadação, fortalecimento das administrações tributárias, respeito à autonomia federativa, cooperação intergovernamental, segurança jurídica e cumprimento espontâneo da obrigação tributária, justiça e equidade fiscais e minimização dos riscos da transição para o novo modelo.

 

Para segundo Decarli, houve convergência do grupo em relação à grande parte do modelo apresentado por Giovanni Padilha por estar alinhada aos princípios defendidos pela Federação: “A proposta tem como pontos inegociáveis dos Estados a autonomia dos entes federados, a não redução das receitas próprias, a não redução das transferências recebidas e que seja criado um mecanismo de estímulo à desconcentração da produção”, esclarece.

 

A aprovação de melhorias no atual sistema tributário é consenso entre especialistas para que o Brasil avance. O presidente da Febrafite, Juracy Soares, está confiante que o momento da reforma chegou: “Acredito que o momento é único na história do país, já que diversos setores da sociedade civil debatem o tema e concordam que temos que resgatar a confiança de empreendedores, com um ambiente amigável à geração de negócios e empregos. E o próprio Estado percebe que está no limite de sua capacidade gerencial”, diz Soares.

 

Centro de Cidadania Fiscal

 

Aproveitando o deslocamento para São Paulo, o grupo se reuniu na terça-feira (31), com os diretores do Centro de Cidade Fiscal (CCiF) para conhecer melhor a proposta do centro, considerado um think tank independente que tem como objetivo contribuir para a simplificação do sistema tributário brasileiro e para o aprimoramento do modelo de gestão fiscal do país.

 

Os auditores fiscais foram recebidos pelo diretores do CCiF: o economista Bernard Appy; professor de Direito Tributário da FGV/SP, Eurico Marcos Diniz de Santi; o professor da Escola de Direto de São Paulo (FGV Direito SP), Isaias Coelho; e o economista Nelson Machado.

 

A possibilidade de perda de autonomia da arrecadação dos entes federativos é um dos temas que emperram a reforma tributária de avançar. Sobre esse cenário, Bernard Appy destacou que a proposta de reforma do CCiF, ao contrário de outras, mantém a autonomia da União, estados e municípios na gestão das suas receitas, por meio da fixação das alíquotas.

 

“Hoje, a autonomia está sendo muito mal utilizada, na geração da guerra fiscal entre os estados e entre os municípios. Autonomia deve ser gerir a receita, é importante para a fiscalização do imposto, mas não deve ser utilizada para conceder incentivos fiscais que são distorcidos que, ao longo prazo, são prejudiciais para o conjunto dos estados. Nosso modelo preserva autonomia federativa, que seja colaborativa e não predatória que vemos hoje”, opina Bernard.

 

Segundo Gigliola, na proposta de reforma apresentada pelo CCiF, há convergência em muitos aspectos à proposta da Federação, mas existe uma preocupação do grupo particularmente em relação à fiscalização compartilhada entre os entes e a perda da autonomia legislativa e arrecadatória dos Estados: “Eles defendem um comitê gestor responsável pela disciplina das questões afetadas pelo novo tributo.” A federalização do processo administrativo e a inclusão de terceiro participante no processo, além dos representantes do fisco e dos contribuintes, foi outro ponto questionado pelos membros da comissão.

 

Bernard destacou a participação dos fiscos estaduais como fundamental na construção de um novo modelo de tributação de bens e serviços no Brasil porque o ICMS representa hoje o que seria a maior parte do novo imposto de bens e serviços e quem mais conhece o tributo são os fiscos estaduais. Além disso, ele destacou que existe todo um processo de construção de um sistema racional de fiscalização de gestão do contencioso nesse novo imposto: “Nós temos buscado abrir esse canal de interlocução com os fiscos estaduais exatamente porque só teremos um bom imposto se tivermos a participação dos fiscos estaduais na construção desse modelo”, disse.

 

O vice-presidente Rodrigo Spada, destacou durante a visita, que é extremamente importante a participação dos fiscos estaduais na construção de um modelo tributário colaborativo e cidadão. “Falo com convicção que esse é um momento histórico de debate coletivo com uma rede de atores envolvidos e interessados no tema”, opina.

 

Fonte: Portal ImprensaJá

 

 

Outras Notícias
 

Receitas do Estado têm incremento superior a R$ 440 milhões

domingo, 21 de outubro, 2018

Fake News: Eleitor deve ficar atento e não compartilhar informação duvidosa

domingo, 21 de outubro, 2018

Eleitor que não votou no primeiro turno, pode votar normalmente no segundo

domingo, 21 de outubro, 2018

Recorde de Arrecadação Própria em setembro

domingo, 14 de outubro, 2018

Sindifisco-PB parabeniza os candidatos eleitos no primeiro turno das eleições

domingo, 14 de outubro, 2018

Eleições 2018: A responsabilidade consciente do seu voto

sexta-feira, 05 de outubro, 2018

TRE-PB: Eleitor pode consultar local de votação

sexta-feira, 05 de outubro, 2018

Receitas do Estado têm incremento superior a R$ 389 milhões

sábado, 29 de setembro, 2018

Voto consciente, um instrumento de mudança política e social

sábado, 29 de setembro, 2018

Página 1 de 395 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]