Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Decreto de Temer fecha portas de concursos públicos a pessoas com deficiência
quarta-feira, 07 de novembro, 2018

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal (MPF), levou à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, representação para que ingresse com um pedido de inconstitucionalidade do Decreto 9.546/2018 no Supremo Tribunal Federal (STF). O decreto assinado pelo presidente Michel Temer acaba com as provas adaptadas para pessoas com deficiência em concursos públicos e outros processos seletivos do governo federal. E define que critérios de aprovação serão os mesmos das pessoas que não possuem deficiência.

 

Para a PFDC, o novo decreto fere o artigo 3º da Constituição Federal de 1988 – que trata dos princípios da dignidade, do pluralismo, da igualdade e da não-discriminação. Viola ainda diretrizes estabelecidas pela Lei Brasileira de Inclusão (LBI) e pela Convenção Internacional da Pessoa com Deficiência, que ganharam status de emenda constitucional.

 

“A intuição de que algumas ocupações ou alguns cargos não condizem com a deficiência é preconceito, discriminação e desconsidera conceito atual de deficiência, que não está centrado no sujeito, e sim em seu entorno”, explicou a procuradora federal Deborah Duprat.

 

O ato de Temer altera o Decreto 9.508/2018, que regulamenta a aplicação das provas a partir do conteúdo da Lei Brasileira de Inclusão. A lei estipulou a “adaptação razoável” para todas as provas de concurso público e de processo seletivo, bem como para curso de formação, estágio probatório ou período de experiência. “A adaptação razoável é um conceito que atende às singularidades dos sujeitos e que, por isso, não conta, logicamente, com exceções. A sua definição já leva em conta o exercício sempre feito nessa matéria: ônus administrativo x mínimo existencial”, disse Deborah.

 

Para a procuradora, a Lei Brasileira de Inclusão é suficientemente clara ao estabelecer que é finalidade primordial das políticas públicas de trabalho e emprego promover e garantir condições de acesso e de permanência da pessoa com deficiência no campo do trabalho. “Se não há adaptação razoável para as provas físicas, há uma fase do concurso que compromete a participação de pessoas com deficiência, na contramão do lúcido entendimento do STF”, ressalta a PFDC.

 

O STF possui jurisprudência com uma série de parâmetros em relação aos critérios a serem observados pela administração pública no que se refere às políticas de cotas, estabelecendo que a reserva de vaga deve ser aplicada em todas as fases do concurso e para a carreira funcional do beneficiário.

 

Da RBA

 

Outras Notícias
 

Mercado prevê inflação de 4,01% e alta de 2,53% no PIB para este ano

segunda-feira, 21 de janeiro, 2019

Receitas do Estado têm incremento superior a R$ 744 milhões em 2018

sábado, 19 de janeiro, 2019

Mais da metade das capitais revisam impostos para aumentar arrecadação

quinta-feira, 17 de janeiro, 2019

Fenafisco articula estratégias contra a Reforma da Previdência proposta pelo Planalto

quinta-feira, 17 de janeiro, 2019

Nascidos em janeiro e fevereiro começam a receber abono salarial

quarta-feira, 16 de janeiro, 2019

PEC 300/16: ameaças aos direitos trabalhistas na Constituição

quarta-feira, 16 de janeiro, 2019

Teto do INSS sobe de R$ 5.645,80 para R$ 5.839,45, em 2019

quarta-feira, 16 de janeiro, 2019

Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018

segunda-feira, 14 de janeiro, 2019

Arrecadação Própria da PB tem incremento de 20,71% em dezembro de 2018

domingo, 13 de janeiro, 2019

Página 1 de 404 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]