Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Volta da tributação sobre lucros e dividendos renderia R$ 60 bilhões
quinta-feira, 31 de janeiro, 2019

Cobrança foi extinta em 1995, no governo FHC, quando foi considerada que se tratava de bitributação

 

A cobrança sobre lucros e dividendos de pessoas físicas foi extinta no Brasil em 1995, no governo Fernando Henrique Cardoso. O argumento: tratava-se de bitributação, pois as empresas já haviam pago o imposto sobre os mesmos resultados. Entre os economistas, no entanto, cresce o coro dos que defendem a volta do tributo.

 

“Uma hora a gente vai ter de enfrentar discussões sobre a reestruturação do sistema tributário, e um tema importante é a tributação sobre lucros e dividendos sobre pessoa física”, diz Felipe Salto, diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal. Segundo Salto, se a medida fosse resgatada agora, daria fôlego para a arrecadação.

 

Dois pesquisadores, Sérgio Gobetti e Rodrigo Orair, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), estudam o tema e defendem a volta dessa tributação há dois anos.

 

“Com ou sem reforma da Previdência, o buraco fiscal é tão profundo que não podemos nos dar ao luxo de descartar nenhuma medida”, diz Gobetti (leia a entrevista).

 

Segundo Gobetti, a análise das declarações de imposto de renda de 2016, referentes a 2015, mostram que pessoas físicas receberam R$ 334 bilhões de lucros e dividendos. Aplicando-se a alíquota de 15%, que valia até 1995, e projetando o reajuste, hoje seria possível arrecadar no ano cerca de R$ 60 bilhões.

 

O questionamento sobre a bitributação, argumenta Gobetti, foi superado com o tempo. Ele lembra que a discussão pela derrubada do tributo nasceu nos Estados Unidos. No entanto, antes que se chegasse a uma conclusão por lá, alguns países, como o Brasil, se adiantaram, suspendendo a cobrança. Estavam no grupo Estônia, México, Grécia e Eslováquia.

 

Os americanos nunca chegaram a cortar o imposto. A Grécia voltou a cobrá-lo para contornar a crise fiscal. México e Eslováquia reverteram a decisão. Apenas Brasil e Eslovênia mantêm a isenção.

 

Ressuscitar o imposto, porém, não será fácil. Historicamente, crises fiscais brasileiras são resolvidas com aumento de impostos. A alternativa agora encontra forte oposição, tanto dos empresários quanto da população em geral. O pato da Fiesp, a Federação das Indústrias de São Paulo, é o símbolo dessa resistência.

 

Estadão

Outras Notícias
 

Posto Fiscal de Guaju autua motorista com carga de feijão preto irregular

sexta-feira, 23 de agosto, 2019

Maioria do STF considera inconstitucional corte de salário de servidor

sexta-feira, 23 de agosto, 2019

Estabilidade do servidor público: Maia vai ao STF discutir novas regras

quinta-feira, 22 de agosto, 2019

BRASIL: Bancos vão poder abrir aos sábados

quinta-feira, 22 de agosto, 2019

SEFAZ divulga balanço da ‘Operação Bilhete Legal’ realizada em seis terminais rodoviários da Paraíba

quarta-feira, 21 de agosto, 2019

Possibilidade de redução do salário de servidor volta à pauta do STF nesta quarta-feira

quarta-feira, 21 de agosto, 2019

Estelionatários seguem agindo na Paraíba

domingo, 18 de agosto, 2019

Assembleia Geral da Febrafite

domingo, 18 de agosto, 2019

Fenafisco atua no Senado

domingo, 18 de agosto, 2019

Página 1 de 431 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]