Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Volta da tributação sobre lucros e dividendos renderia R$ 60 bilhões
quinta-feira, 31 de janeiro, 2019

Cobrança foi extinta em 1995, no governo FHC, quando foi considerada que se tratava de bitributação

 

A cobrança sobre lucros e dividendos de pessoas físicas foi extinta no Brasil em 1995, no governo Fernando Henrique Cardoso. O argumento: tratava-se de bitributação, pois as empresas já haviam pago o imposto sobre os mesmos resultados. Entre os economistas, no entanto, cresce o coro dos que defendem a volta do tributo.

 

“Uma hora a gente vai ter de enfrentar discussões sobre a reestruturação do sistema tributário, e um tema importante é a tributação sobre lucros e dividendos sobre pessoa física”, diz Felipe Salto, diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal. Segundo Salto, se a medida fosse resgatada agora, daria fôlego para a arrecadação.

 

Dois pesquisadores, Sérgio Gobetti e Rodrigo Orair, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), estudam o tema e defendem a volta dessa tributação há dois anos.

 

“Com ou sem reforma da Previdência, o buraco fiscal é tão profundo que não podemos nos dar ao luxo de descartar nenhuma medida”, diz Gobetti (leia a entrevista).

 

Segundo Gobetti, a análise das declarações de imposto de renda de 2016, referentes a 2015, mostram que pessoas físicas receberam R$ 334 bilhões de lucros e dividendos. Aplicando-se a alíquota de 15%, que valia até 1995, e projetando o reajuste, hoje seria possível arrecadar no ano cerca de R$ 60 bilhões.

 

O questionamento sobre a bitributação, argumenta Gobetti, foi superado com o tempo. Ele lembra que a discussão pela derrubada do tributo nasceu nos Estados Unidos. No entanto, antes que se chegasse a uma conclusão por lá, alguns países, como o Brasil, se adiantaram, suspendendo a cobrança. Estavam no grupo Estônia, México, Grécia e Eslováquia.

 

Os americanos nunca chegaram a cortar o imposto. A Grécia voltou a cobrá-lo para contornar a crise fiscal. México e Eslováquia reverteram a decisão. Apenas Brasil e Eslovênia mantêm a isenção.

 

Ressuscitar o imposto, porém, não será fácil. Historicamente, crises fiscais brasileiras são resolvidas com aumento de impostos. A alternativa agora encontra forte oposição, tanto dos empresários quanto da população em geral. O pato da Fiesp, a Federação das Indústrias de São Paulo, é o símbolo dessa resistência.

 

Estadão

Outras Notícias
 

Receitas da PB ultrapassam mais de R$ 865 milhões no mês de março

sábado, 20 de abril, 2019

Convocação: Assembleia Geral

sábado, 20 de abril, 2019

Desafios da nova gestão

sábado, 20 de abril, 2019

Pagamento de IPVA é ampliado para casas lotéricas e toda a rede bancária

quarta-feira, 17 de abril, 2019

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.040 para o próximo ano

terça-feira, 16 de abril, 2019

LDO de 2020 não prevê concursos nem reajuste para servidores

terça-feira, 16 de abril, 2019

eSocial começa a receber dados de microempreendedores individuais

terça-feira, 16 de abril, 2019

Manoel Isidro concede entrevista a TV Correio

terça-feira, 16 de abril, 2019

Manoel Isidro é reeleito para presidir o Sindifisco-PB

segunda-feira, 15 de abril, 2019

Página 1 de 416 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]