Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Última reforma trabalhista não cumpre a meta de geração de empregos
segunda-feira, 13 de maio, 2019

Após um ano e meio das mudanças promovidas pelo presidente Michel Temer, desemprego não cai

 

Dezoito meses se passaram desde a vigência da reforma trabalhista promovida pelo presidente Michel Temer sob a promessa de que o desemprego seria combatido ou minimizado.

 

Um dos temas mais pensados e procurados pela população não está somente em conseguir um emprego, mas em mantê-lo frente a problemas estruturais como a estagnação econômica e os avanços na Tecnologia.

 

Mesmo assim, parte dos políticos que defenderam a reforma trabalhista advogam em sua causa, mencionando o seu potencial de conversão para a prática.

 

Melhor dizendo: se tudo o que a Lei prevê sair do papel e for para as ruas e para as relações de trabalho, não é preciso fazer mais nada. Surgiu a solução da reforma.

 

Mudanças

A reforma Trabalhista de 2017 alterou cerca de cem itens da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), implantada no Governo de Getúlio Vargas, visando a atender os pedidos da atual classe empresarial.

 

Segundo alguns defensores da reforma, ela foi concebida para dar mais segurança jurídica e formas alternativas de contratação, oferecendo uma renovação na relação entre donos e empregados.

 

Outro ponto positivo levantado foi o de evitar uma queda substancial no contexto trabalhista.

 

Na época dos debates e da votação final, os políticos que advogavam a favor da reforma alardeavam que o benefício mais imediato seria a criação de 2 milhões a 6 milhões de empregos para o futuro próximo. Porém, na prática isso não se confirmou com o desempenho pífio da economia nacional. Outro fator contribuinte foi a instabilidade política do país vivida nos anos de 2017 e 2018.

 

Os números do IBGE corroboram a tese de que algo está errado ou anômalo: a taxa de desocupação gira na casa dos 12,7% e a formalização do trabalho com carteira assinada diminui em 500 mil Vagas em 2017 e 2018. Sem saída, a maioria que precisa trabalhar, busca a informalidade para conseguir o fechamento de suas contas mensais.

 

Dentre as principais modificações de 2017, a reforma instituiu mais poder aos acordos coletivos, os quais podem prevalecer sobre a legislação tradicional, a criação de novas formas de contratação, como o trabalho intermitente, e maior dificuldade nos trâmites de ações trabalhistas.

 

Ministro do Trabalho durante o mandato de Michel Temer, Ronaldo Nogueira avalia como positiva a redução dos processos e litígios trabalhistas nos tribunais, referindo-se à segurança jurídica que beneficiou principalmente os micro e pequenos empresários. Mas, reconhece que só a reforma não é a resposta para tudo. Dependeria também do crescimento da economia (o qual anda de lado até agora). Logo a seguir, reafirma sua defesa do projeto, dizendo que foi “o remédio certo para o momento adequado.

 

Se não fosse a reforma trabalhista, estaríamos vivendo o caos.”

 

Influência

O coordenador do IBGE, Cimar Azevedo, afirma que, com os dados colhidos não é possível embasar a influência da reforma trabalhista na geração de postos. Mas estes mesmos dados mostram a identificação de uma tendência: a diminuição da formalização. Desde 2014, o Brasil viu sumir cerca de 4 milhões de empregos com carteira assinada. Por outro lado, houve avanços na informalidade ou na subutilização da mão-de-obra, denotando que estes dois grupos desistiram de procurar trabalho formal, confirmando o surgimento de uma nova realidade apontada pelas estatísticas.

 

Confirmação

Em entrevista concedida, a presidente da Associação Juízes para a Democracia (AJD), Laura Benda, teme uma "conjugação dramática" ao se observar a implantação da reforma trabalhista com a reforma Previdenciária. No caso das relações trabalhistas, ela acredita que a reforma de novembro de 2017 influencia sim no aumento da informalidade no mercado de trabalho, além de trazer arrocho salarial e aumento do desemprego. Ela estende seu raciocínio que a reforma trabalhista representa o maior ataque aos direitos sociais desde a implantação do Estado Democrático de Direito no Brasil, com a criação e a elaboração da Constituição, em 1988. Para ela, a conta não fecha para muitos da população com as mudanças feitas na Consolidação das Leis do Trabalho.

 

Blasting News

Outras Notícias
 

Sefaz-PB divulga balanço das apreensões de bebidas e cigarros em galpões na Capital

quarta-feira, 22 de maio, 2019

Caixa vai dar desconto de até 90% para clientes com dívidas

quarta-feira, 22 de maio, 2019

Posto Fiscal de Guaju autua carga de carne com irregularidade

quarta-feira, 22 de maio, 2019

Estado efetua cadastramento de servidores ativos e inativos da administração direta e indireta

terça-feira, 21 de maio, 2019

Reforma tributária é decisiva para o país, afirma Paim

terça-feira, 21 de maio, 2019

Reserve sua mesa para o Forró Fiscando

segunda-feira, 20 de maio, 2019

Reforma tributária está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça

sexta-feira, 17 de maio, 2019

Receita aumenta para R$ 5 milhões teto de parcelamentos de dívidas

sexta-feira, 17 de maio, 2019

Reforma tributária: 7 pontos para entender a proposta que unifica 5 impostos

quarta-feira, 15 de maio, 2019

Página 1 de 420 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]