Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

Auxílio Emergencial: impasse econômico e necessidade da população
terça-feira, 09 de fevereiro, 2021

O retorno do auxilio emergencial deve ocupar os debates no Congresso Nacional e na equipe econômica do ministro Paulo Guedes nos próximos dias. A tendência é de novo valor de R$ 300, podendo ser ainda menor e diminuir o número de beneficiados do programa que pode, inclusive, mudar de nome.

 

Os dilemas são vários. Passam pela criação de espaço fiscal no orçamento, decisão política do presidente, que vê sua popularidade ameaçada sem algum auxílio, e por fim, e mais importante, a necessidade real do cidadão, que sem emprego e sem renda precisa do auxílio para sua sobrevivência básica e de sua família.

 

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) tem falado na ampliação do Bolsa Família com o atendimento a cerca de 5 milhões de pessoas que estão na fila para receber o benefício.

 

Vale destacar que o auxilio pago em 2020 para os mais vulneráveis na pandemia atingiu em torno de 68 milhões de cidadãos, boa parte desses estavam invisíveis em relação aos programas de assistência do governo federal.

 

Bônus de Inclusão Produtiva

Para Barros, tratar da ampliação do Bolsa Família serviria para diminuir a pressão sobre o governo pelo auxílio e ganhavam tempo para debater o que estão apelidando de BIP (Bônus de Inclusão Produtiva).

 

O valor seria, em princípio, de 3 parcelas de R$ 300, segundo cálculos do governo, custariam cerca de R$ 6 bilhões mensais. Para tanto, condicionam a possibilidade de concessão desse auxílio, com novo nome, à aprovação da “PEC Emergencial” no Congresso.

 

No Executivo, os ministros Onix Lorenzoni (ex-Cidadania, agora Secretraria Geral do Governo), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Paulo Guedes (Economia) estão buscando saída para o tema e devem trazer novidades ainda nesta semana. De acordo com a definição do governo, a proposta poder surgir como MP (Medida Provisória) para que tenha efeito imediato e possa fazer com que o governo pague o benefício nos próximos meses.

 

Por fim, mas não menos importante, é relevante destacar os projetos sobre o tema apresentados pelos congressos. São 14 ao todo, senado 4 em tramitação no Senado, e 10 na Câmara. Os valores que os deputados e senadores avaliam serem razoáveis variam de R$ 300 a R$ 600. Qualquer valor abaixo entre esses 2, os parlamentares tendem a rejeitar. O tempo de concessão do benefício, que nos projetos variam entre até março e até vacinar todos os brasileiros.

 

 

Diap

 

Outras Notícias
 

PEC Emergencial representa grave risco aos direitos da população, diz Movimento a Serviço do Brasil

quarta-feira, 24 de fevereiro, 2021

Opinião: As mentiras e as interferências que podem causar guerra com os Estados

quarta-feira, 24 de fevereiro, 2021

Fiscos debatem eficiência da Administração Tributária

terça-feira, 23 de fevereiro, 2021

PEC Emergencial será votada na quinta com cláusula de Orçamento de Guerra

terça-feira, 23 de fevereiro, 2021

Lira diz que reforma administrativa pode ser votada em dois meses, e tributária, em oito

terça-feira, 23 de fevereiro, 2021

Fórum dos Servidores solicitou audiência ao Governo do Estado

segunda-feira, 22 de fevereiro, 2021

Coronavírus: Diretoria do Sindifisco-PB decide fechar sede e sucursal

domingo, 21 de fevereiro, 2021

Estudo mostra que taxar ricos para financiar política social elevaria PIB em 2,4%

quinta-feira, 18 de fevereiro, 2021

STF: Cobrança de ITBI só é possível após transferência efetiva do imóvel

quinta-feira, 18 de fevereiro, 2021

Página 1 de 494 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]