Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Notícia

FENAFISCO: Nota de posicionamento | PEC Emergencial
sexta-feira, 12 de março, 2021

A manutenção da vinculação dos fundos públicos no texto final da PEC Emergencial representa uma expressiva vitória para o Fisco.

 

Para a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), o esforço conjunto das entidades representativas do Fisco contribuiu decisivamente para que parte considerável do Congresso Nacional reconhecesse a essencialidade das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

 

A preservação do comando constitucional que autoriza a vinculação de receitas de impostos para a realização das atividades das administrações tributárias, reforça o combate à sonegação fiscal e, portanto, protege o erário e a sociedade.

 

Apesar de celebrar a manutenção de fontes de receitas fundamentais ao custeio e investimento nas administrações tributárias, a Fenafisco lamenta que, por outro lado, a população e os servidores públicos mais uma vez sejam duramente penalizados. Na prática, a Pec Emergencial perpetrou um duro golpe contra o Estado e, por óbvio, contra as populações mais vulneráveis e dependentes dos serviços públicos, ao proibir reajustes salariais dos servidores - inclusive daqueles que recebem baixos salários, ao proibir concursos públicos e, por fim, ao congelar investimentos públicos a partir do acionamento de gatilhos.

 

Os efeitos da PEC, principalmente o impacto na qualidade do serviço público com a falta de investimento, serão sentidos pela população ao longo dos próximos meses e anos.

 

No texto aprovado da PEC Emergencial, os parlamentares fixaram um limite extremamente baixo para o gasto com o auxílio emergencial, muito aquém das reais necessidades do país no momento mais agudo da crise sanitária e econômica, e muito aquém do valor gasto em 2020.

 

A média estimada de R$ 250 reais para o auxílio emergencial, defendida a ferro e fogo pela equipe econômica, é sabidamente insuficiente, seja pelo valor em si, comparado ao que foi pago em 2020, seja pela alta de preços dos alimentos e remédios verificada nos últimos meses.

 

No ano passado, mais de 67 milhões de brasileiros necessitaram do auxílio. Com a piora nos cenários econômico e sanitário é ilusório acreditar que menos brasileiros precisem do benefício e com valor inferior.

 

Além da drástica redução do auxílio emergencial - seja em relação ao valor, seja em relação à população atendida -,o texto aprovado também promoverá a redução do investimento público ao longo dos próximos anos, prejudicando o acesso aos serviços públicos, essenciais à população.

 

Por onde se olha, a Pec Emergencial, definitivamente, vai piorar a situação do país. Uma lástima!

 

Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital - Fenafisco

 

Brasília, 12 de março de 2021


Fenafisco

 

 

Outras Notícias
 

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA | STF Marca Julgamento Dos Embargos Sobre Tributação Do Terço De Férias

sexta-feira, 16 de abril, 2021

Fenafisco e PÚBLICA articulam ações para barrar a Reforma Administrativa

sexta-feira, 16 de abril, 2021

Câmara, Senado e Ministério da Saúde anunciam antecipação de 1 milhão de doses da Pfizer em abril

quinta-feira, 15 de abril, 2021

PEC 32 e os Deputados Federais

quarta-feira, 14 de abril, 2021

Nota Cidadã paga prêmios aos ganhadores do mês de março

quarta-feira, 14 de abril, 2021

Vendas do varejo voltam a crescer em fevereiro na Paraíba, diz IBGE

quarta-feira, 14 de abril, 2021

Projeto isenta profissionais de serviços essenciais do pagamento de IR durante calamidade pública

terça-feira, 13 de abril, 2021

Receita Federal adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda

segunda-feira, 12 de abril, 2021

Convocação: Assembleia Extraordinária

segunda-feira, 12 de abril, 2021

Página 1 de 500 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]