Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Opinião

Proteção dos Interesses do País
Autor: Nilton Paixão
Eis um fato amplamente difundido e cheio de inverdades: o setor privado presta serviços eficientes e de baixo custo, enquanto o setor público é corrupto e ruim.

 

Somos levados a acreditar que a iniciativa privada é a única responsável por criar e produzir serviços bons e baratos. Já o funcionalismo público, considerado ineficaz e perdulário, seria um obstáculo para o funcionamento da sociedade. Seguindo esse raciocínio, servidores públicos são considerados burocráticos e preguiçosos na condução de seus trabalhos.

 

No entanto, segundo dados recentes da instituição de pesquisa The Conference Board, a produtividade brasileira se situa em 75º lugar no ranking mundial. Na América Latina, é a terceira pior, ganhando apenas de Bolívia e Equador. Ou seja, a questão da baixa produtividade é geral em nosso país, de modo algum exclusiva do serviço público.

 

Setores privatizados, como operadoras de telefonia e bancos, são campeões de queixas no Procon. E a qualidade dos serviços mais demandados, como a banda larga, é sofrível, com contratos desleais com os consumidores.

 

Ainda assim, os concessionários recebem aportes de fundos de pensão de trabalhadores e financiamentos de bancos públicos a perder de vista, subsidiados com o aumento da dívida pública do país.

 

Nem sempre quem vende excelência de gestão, fala em meritocracia e ganha prêmios empresariais tem exatamente relações republicanas com o Estado.

 

O conjunto da obra do setor público precisa melhorar, sem dúvida. A rotatividade de servidores, todavia, não é um caminho para isso. Pelo contrário, deixaria a estrutura pública ainda mais à mercê daqueles que, com impunidade política e muitas vezes criminal, trabalham no Estado para enriquecer à vontade.

 

A estabilidade do funcionalismo público é fundamental para o país. É o que está permitindo a revolução de costumes no Brasil, fruto do trabalho de servidores do setor de controle, auditoria, controladoria, transparência, promotoria, fiscalização, polícia e Justiça, em parceria com a imprensa. Esse conjunto de forças vem emparedando a corrupção.

 

Quanto mais a sociedade e suas organizações puderem apoiar os servidores públicos de carreira, melhor será para todos.

 

Somente o quadro estável e profissionalizado das instâncias públicas protegerá os reais interesses da nação.

 

Apenas servidores estáveis terão a sensibilidade necessária para as demandas da população e poderão fiscalizar aquilo que é do interesse público, sem viés partidário, sem favorecimentos privados, sem a apropriação partidária da estrutura pública.

 

Tudo pode e deve melhorar. Tudo pode e deve ser mais eficiente. É preciso gerar novas inteligências nos processos do setor, que também requerem investimentos há tempos represados.

 

Todavia, deixar o Estado mais vulnerável, sem o servidor com estabilidade, pode ser o pior dos mundos, a posse do que é público pelos interesses privados de poucos.

 

Nilton Paixão, 50, é presidente da Pública (central sindical dos servidores públicos), consultor legislativo da Câmara dos Deputados e mestre em direito constitucional pela Universidade Federal de Pernambuco.

Outras Opiniões
 
Impacto da Terceirização Irrestrita pode ser devastador

Autor: Alan Trajano*

A reforma da Previdência e os sonegadores

Autor:

REFORMA DA PREVIDÊNCIA extingue direito do trabalhador

Autor: Edmilson Blohen

Governo Temer inicia maior ataque contra o funcionalismo público

Autor: Diógenes Júnior

A alquimia da Previdência Social

Autor: *Por Camila Barros

Brasil marcha rápido para a depressão econômica

Autor: Marcos Verlaine*

Você está sendo roubado pela PEC 241

Autor: Maria Lucia Fattorelli

PEC 241/16 é aprovada, em primeiro turno, na Câmara.

Autor:

Ameaças da reforma previdenciária de Michel Temer

Autor: Antônio Augusto de Queiroz*

Tempos turbulentos para o funcionalismo público brasileiro

Autor: Christian de Azevedo,

Servidor Público, o maior patrimônio do Estado de Mato Grosso

Autor: Ricardo Bertolini

Dívida Ativa Tributária: onde paira a escuridão

Autor: Charles Alcântara

A importância da instituição da Lei Orgânica da Administração Tributária

Autor: Fernando Huber

Declaração de Amor ao Nordeste

Autor: Glauco dos Santos Gouvêa

Considerações sobre o TCM na Paraíba

Autor: Matheus de Medeiros Lacerda

Justiça tributária para fazer Justiça social

Autor: Décio Lima

O sindicalismo deve participar do processo eleitoral?

Autor: Antônio Augusto de Queiroz

Governadores em Perigo

Autor: POR JOSÉ ROBERTO TOLEDO

Os quarentas

Autor: Eduardo Varandas

A Emenda Constitucional n.º 42/03 e as administrações tributárias

Autor: Marcelo Figueiredo, Vladimir Rossi Lourenço e Rodr

O Preço da Passagem

Autor: Lecivaldo C L Lima

O retrocesso da Paraíba

Autor: Glauco dos Santos Gouvêa

Quando a punição pesa no bolso

Autor: Wálter Maierovitch

Priorização da PEC 186/07

Autor: Glauco Gouvea

Se não há meio ambiente, não há economia

Autor: Marcus Eduardo Oliveira

A reforma do ICMS foi para a UTI

Autor: Ribamar Oliveira

MP da cesta básica: importante passo rumo à justiça fiscal

Autor: Álvaro Sólon de França

O Movimento Aguaceira é promessa de chuva nos corações

Autor: Adeildo Vieira

O capitalismo e a economia política da mudança climática

Autor: Rob Urie

Institucionalização da desobediência civil

Autor: Antônio José Espínola

Página 1 de 9 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]