Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Opinião

A reforma da Previdência e os sonegadores
Autor:

“Para punir os sonegadores contumazes das contribuições previdenciárias, não há na PEC uma vírgula sequer. A sonegação compromete os programas sociais, corrói a ética comportamental e sacrifica os contribuintes honestos”


É público e notório que a elite econômica brasileira, ao sonegar o pagamento de impostos e contribuições, é refratária em participar do esforço nacional para reduzir as nossas profundas desigualdades sociais e regionais. O Estado brasileiro tem contribuído imensamente para que esta situação perdure, porque, ao longo do tempo, tem sido pródigo em editar medidas legais reduzindo multas e juros incidentes sobre débitos previdenciários para favorecer devedores contumazes. Somente nos últimos anos foram editados inúmeros diplomas legais criando privilégios para sonegadores de contribuições previdenciárias.

 

Essa relação, pouco recomendável, que existe entre o Estado brasileiro e os sonegadores, obstinados em sonegar contribuições previdenciárias, tem provocado um sentimento de que é um péssimo negócio ser adimplente nas relações com o Estado. Essa prática nefasta tem produzido prejuízo incomensurável à previdência social brasileira, tanto que os débitos a serem cobrados de entes públicos e privados chegam a soma estratosférica de R$ 426 bilhões. Neste universo a maioria dos sonegadores já usufruiu de “benefícios legais” anteriores e estão à espera de novos “benefícios”. Se não bastasse este prejuízo financeiro, há um prejuízo maior que é o da concorrência desleal, pois os contribuintes honestos acabam sendo afastados do mercado por não terem condições de competirem, já que o Estado não garante as regras mínimas de convivência num clima de economia de livre mercado, ao editar rotineiramente medidas legais para beneficiar sonegadores contumazes.

 

Recentemente o Poder Executivo encaminhou ao Congresso Nacional a proposta de emenda à Constituição (PEC 287/2016) que altera os artigos 37, 40, 109, 149, 167, 195, 201 e 203 da Constituição, para dispor sobre seguridade social, estabelece regras de transição e dá outras providências, que promove uma hecatombe no sistema previdenciário ao restringir severamente o acesso dos cidadãos aos direitos sociais, no que concerne aos benefícios de aposentadorias e pensões.

 

Entretanto, para punir os sonegadores contumazes das contribuições previdenciárias, não há na PEC uma vírgula sequer. A sonegação compromete os programas sociais, corrói a ética comportamental, sacrifica os contribuintes honestos, por isso essa atitude do governo ao encaminhar a PEC 287/2016 sem dizer uma palavra sobre os sonegadores das contribuições previdenciárias provoca a desconfiança dos contribuintes honestos na lisura da concorrência entre as empresas.

 

O Estado brasileiro passa por profundas transformações. A sociedade começa a entender que todos precisam cumprir suas obrigações, aí incluídas as de pagar impostos e contribuições, para que possamos reduzir as nossas profundas desigualdades sociais e regionais. Assim, rogamos a todos os congressistas que apresentem emedas à PEC 287/2016 com o fito de exterminar esses “benefícios” de redução de multas e juros, que são concedidos, de tempos em tempos, aos sonegadores contumazes de contribuições previdenciárias.


Portal Congresso em Foco, ,14-03-2017

Outras Opiniões
 
Impacto da Terceirização Irrestrita pode ser devastador

Autor: Alan Trajano*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA extingue direito do trabalhador

Autor: Edmilson Blohen

Governo Temer inicia maior ataque contra o funcionalismo público

Autor: Diógenes Júnior

A alquimia da Previdência Social

Autor: *Por Camila Barros

Brasil marcha rápido para a depressão econômica

Autor: Marcos Verlaine*

Você está sendo roubado pela PEC 241

Autor: Maria Lucia Fattorelli

PEC 241/16 é aprovada, em primeiro turno, na Câmara.

Autor:

Ameaças da reforma previdenciária de Michel Temer

Autor: Antônio Augusto de Queiroz*

Tempos turbulentos para o funcionalismo público brasileiro

Autor: Christian de Azevedo,

Proteção dos Interesses do País

Autor: Nilton Paixão

Servidor Público, o maior patrimônio do Estado de Mato Grosso

Autor: Ricardo Bertolini

Dívida Ativa Tributária: onde paira a escuridão

Autor: Charles Alcântara

A importância da instituição da Lei Orgânica da Administração Tributária

Autor: Fernando Huber

Declaração de Amor ao Nordeste

Autor: Glauco dos Santos Gouvêa

Considerações sobre o TCM na Paraíba

Autor: Matheus de Medeiros Lacerda

Justiça tributária para fazer Justiça social

Autor: Décio Lima

O sindicalismo deve participar do processo eleitoral?

Autor: Antônio Augusto de Queiroz

Governadores em Perigo

Autor: POR JOSÉ ROBERTO TOLEDO

Os quarentas

Autor: Eduardo Varandas

A Emenda Constitucional n.º 42/03 e as administrações tributárias

Autor: Marcelo Figueiredo, Vladimir Rossi Lourenço e Rodr

O Preço da Passagem

Autor: Lecivaldo C L Lima

O retrocesso da Paraíba

Autor: Glauco dos Santos Gouvêa

Quando a punição pesa no bolso

Autor: Wálter Maierovitch

Priorização da PEC 186/07

Autor: Glauco Gouvea

Se não há meio ambiente, não há economia

Autor: Marcus Eduardo Oliveira

A reforma do ICMS foi para a UTI

Autor: Ribamar Oliveira

MP da cesta básica: importante passo rumo à justiça fiscal

Autor: Álvaro Sólon de França

O Movimento Aguaceira é promessa de chuva nos corações

Autor: Adeildo Vieira

O capitalismo e a economia política da mudança climática

Autor: Rob Urie

Institucionalização da desobediência civil

Autor: Antônio José Espínola

Página 1 de 9 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]