Menu

(83)3044-3282 (JP)    (83)2102-0800 (CG)       Siga-nos

Ler Opinião

Não existe combate a privilégios na reforma da Previdência
Autor: Pedro Armengol de Souza*

O mito construído em torno dos servidores "privilegiados" serve ao governo para convencer a sociedade em dar o apoio para a aprovação dessa "deforma". Todos os dias é possível ver ou ler notícias que sustentam esse discurso, mas que na prática não existe.

 

Em sua campanha para conquistar o apoio da população brasileira para aprovação da PEC 6/19, da reforma da Previdência, que prevê o fim do modelo de Previdência Pública no Brasil, o governo de Jair Bolsonaro tem adotado o combate a privilégios como uma das principais narrativas. Mas, esse discurso não se sustenta e com alguns dados conseguimos desmontar o que consideramos ser apenas uma máscara, uma farsa; uma mentira montada para convencer desavisados.

 

Nós servidores públicos já passamos nos últimos anos por mais de sete reformas. A reforma contida na EC 70/12 colocou todos do setor público na mesma regra dos trabalhadores da iniciativa privada que assegura o teto previdenciário do INSS, hoje em R$ R$ 5.839,45.

 

Outro dado, disponível no Portal da Transparência e pelo próprio governo que disponibiliza tabelas salariais do setor público, é que a maioria dos servidores públicos no Brasil ganha abaixo do valor desse teto, ou seja, sequer seria financeiramente afetada pela reforma proposta. Os demais servidores tem como opção aderir a um fundo complementar previdenciário (Funpresp), caso queiram perceber uma aposentadoria acima do teto estabelecido pelo INSS.

 

Causa mais estranheza ainda que o governo sustente esse discurso do combate aos privilégios quando se observa a reforma da Previdência dos militares, enviada à parte ao Congresso Nacional. A proposta é no mínimo decepcionante para quem espera um combate a privilégios e trouxe até mesmo um plano de carreira que garante reajustes de mais de 124% aos militares, enquanto aos servidores civis não há sequer reajuste previsto.

 

Enquanto tenta convencer sociedade de que combate privilégios sem efetivamente os combater, o governo corre para aprovar uma reforma que, na verdade, propõe jogar a classe trabalhadora num modelo de capitalização, sem regras claras, e ainda retira da Previdência pública seu caráter de tripé social.

 

Os dados até aqui conhecidos terminam de colocar em cheque esse discurso. Dos cerca de R$ 1,2 trilhão que governo diz pretender economizar, 83% sairão de quem recebe até dois salários mínimos de aposentadoria. Além disso, preocupa que o custo de transição não tenha sido citado até hoje pelo governo que parece mesmo desconhecer os números. No entanto, países que adotaram o regime de capitalização e se arrependeram mostram que esse custo nos anos seguintes foi maior do que aquilo que se previa economizar.

 

Há outras críticas que precisam ser consideradas. Para alguns servidores há um prejuízo principalmente com um injusto adiamento do direito de se aposentar que poderia impactar no tempo de serviço já que pela proposta da PEC 6/19 as regras de transição seriam todas desconsideradas. Além disso, há situações onde poderia haver o chamado confisco salarial com servidores podendo ser tributados em até 22%.

 

Mas, a realidade no setor público ainda é de carreiras desestruturadas, tabelas salariais engessadas e desvalorizadas, falta de infraestrutura e de investimento e até mesmo ausência do direito à negociação coletiva.

 

O mito construído em torno dos servidores "privilegiados" serve ao governo para convencer a sociedade em dar o apoio para a aprovação dessa "deforma". Todos os dias é possível ver ou ler notícias que sustentam esse discurso, mas que na prática não existe.

 

Por isso, sabedores de que os impactos mais graves e profundos serão sentidos pela população mais vulnerável e pobre, dos trabalhadores que não darão conta de contribuir por 40 anos para garantir aposentadoria integral e também das incertezas que o modelo de capitalização lançará as gerações futuras, somos contra essa reforma.

 

Nós do setor público vamos nos engajar com outras categorias na greve geral convocada pelas centrais sindicais para o dia 14 de junho. Não há conforto para ninguém neste momento, todos nós estamos ameaçados. É hora de unir os trabalhadores do campo e das cidades em defesa de um dos maiores bens que temos que é o direito a uma aposentadoria digna. Não vamos abrir mão disso.

 

(*) Servidor público federal do recentemente extinto Ministério do Trabalho, diretor da Condsef/Fenadsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal) que representa 80% dos servidores do Executivo Federal no Brasil e secretário adjunto de Relações de Trabalho na CUT. Publicado originalmente no jornal Valor Econômico, em 13 de maio.

 

Fonte: Diap

 

 

 

Outras Opiniões
 
Reforma Tributária: o que acontece?

Autor: Victor Augusto Lins Mendes,

Falácias e verdades sobre a reforma de Guedes

Autor: Charles Alcantara*

A malfazeja redução da alíquota-teto do Imposto de Renda

Autor: Charles Alcantara

N. Dias: Relação do movimento sindical com os poderes

Autor: Neuriberg Dias*

Artigo: Atual sistema tributário fomenta desigualdade social

Autor: Charles Alcantara e Floriano Sá Neto

Rota na pobreza!

Autor: Antônio Pereira

A vã tentativa de naturalizar a dispensa em massa no Brasil

Autor: Grijalbo Fernandes Coutinho* Hugo Cavalcanti Melo

Histeria contra corrupção encobre nossos reais dilemas

Autor: Marcos Verlaine*

Arranjo entre os três Poderes para desmonte do EstadoPrevidência: propaganda enganosa sobre aposentadoria rural

Autor: Antônio Augusto de Queiroz*

Reforma tributária: de quem para quem

Autor: Charles Alcantara

Impacto da Terceirização Irrestrita pode ser devastador

Autor: Alan Trajano*

A reforma da Previdência e os sonegadores

Autor:

REFORMA DA PREVIDÊNCIA extingue direito do trabalhador

Autor: Edmilson Blohen

Governo Temer inicia maior ataque contra o funcionalismo público

Autor: Diógenes Júnior

A alquimia da Previdência Social

Autor: *Por Camila Barros

Brasil marcha rápido para a depressão econômica

Autor: Marcos Verlaine*

Você está sendo roubado pela PEC 241

Autor: Maria Lucia Fattorelli

PEC 241/16 é aprovada, em primeiro turno, na Câmara.

Autor:

Ameaças da reforma previdenciária de Michel Temer

Autor: Antônio Augusto de Queiroz*

Tempos turbulentos para o funcionalismo público brasileiro

Autor: Christian de Azevedo,

Proteção dos Interesses do País

Autor: Nilton Paixão

Servidor Público, o maior patrimônio do Estado de Mato Grosso

Autor: Ricardo Bertolini

Dívida Ativa Tributária: onde paira a escuridão

Autor: Charles Alcântara

A importância da instituição da Lei Orgânica da Administração Tributária

Autor: Fernando Huber

Declaração de Amor ao Nordeste

Autor: Glauco dos Santos Gouvêa

Considerações sobre o TCM na Paraíba

Autor: Matheus de Medeiros Lacerda

Justiça tributária para fazer Justiça social

Autor: Décio Lima

O sindicalismo deve participar do processo eleitoral?

Autor: Antônio Augusto de Queiroz

Governadores em Perigo

Autor: POR JOSÉ ROBERTO TOLEDO

Os quarentas

Autor: Eduardo Varandas

Página 1 de 10 [1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> ]